quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Agradecendo por tudo

Reprodução
Vou pedir licença e falar um pouco sobre Helton, meu cunhado. Ele lutou por sua vida enquanto teve forças e descansou no Senhor, mês passado. Pensei muito antes de escrever, mas quando pensei no título só me vinha à mente algo sobre gratidão. Gratidão pelas orações e amor que ele e minha irmã receberam. A música que ele cantava, “Um milagre, Senhor”, dizia: “um milagre eu sou, um milagre, Senhor, tens feito em mim”. Sim. Ele foi um milagre. Na verdade, vários milagres, a começar por sua primeira cirurgia sem sequelas e no decorrer da luta contra um câncer raro com novidades o tempo todo.

Aprendi algumas coisas com ele, mas a principal foi não reclamar. Não brigar com Deus, não questionar sobre a doença nem reclamar de dor. Algumas vezes esquentei água para ele fazer compressa na perna, e mesmo com muita dor eu não ouvia ele falar nada. Quando ouvia algo, era ele orando baixinho, pedindo a Deus que o ajudasse. Às vezes eu saía de perto com o coração em pedaços, pensando: meu Deus, ajuda Helton... E assim seguiram-se os anos, com dores, sobretudo com a paciência e a calma presentes em sua personalidade. A vida dele não estava boa, mas ele não reclamava.

Aprendi o que era religião vivenciando junto a minha família e à igreja de Boa Viagem em especial. Daqueles que oraram, que o visitaram, que se fizeram presentes. Dos amigos mais íntimos, dos “Cansados” que assim se apelidavam, do apoio ao fazê-lo sorrir e das lágrimas que derramaram junto a ele e minha irmã. Dos abraços que recebemos no seu velório e das orações que muito fizeram e fazem por minha irmã e por sua família, o nosso muito obrigada.

Sei que Helton acordará muito feliz, do jeito que queria... “Só quero acordar bom”, e ele acordará. Sem dor, sem tristeza. Depois da tempestade o sol brilha, e o sol que vai brilhar para ele e pra nós que estivermos lá, será a luz do próprio Jesus. Precisamos nos preparar para esse dia, que será de muita alegria e emoção, pois veremos a Jesus, nosso Salvador, nossos entes queridos e amigos que já não fazem parte do nosso convívio. Que Deus nos abençoe.

Carol Antunes é estudante de Psicologia e, na igreja de Boa Viagem, integra a equipe de Saúde

Nenhum comentário:

Postar um comentário