quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Teto de vidro

Reprodução
Estamos inseridos num mundo em que os julgamentos entre iguais é cotidiano. Passeando pelas redes sociais que participo, tenho visto muitas pessoas prontas para apontar os erros dos outros quando, todos nós somos repletos de falhas. Imagino quão melhor seria o dia da pessoa que está sob julgamento se, ao invés de dedos apontando em sua direção, existissem mãos estendidas, prontas para ajudá-la. 

É impossível olhar para esse cenário e não lembrar da história da mulher adúltera, narrada em João 8. A história é conhecida por todos. A mulher é levada a Jesus por fariseus e mestres da lei pois, fora pega adulterando. Eles O questionam o que deveriam fazer, uma vez que, segundo a lei de Moisés, ela deveria ser apedrejada. Em um dado momento, Jesus se abaixa e passa a escrever no chão com o dedo. Em seguida, por continuarem O questionando o que fazer com esta mulher, Ele, no verso 7 diz: “Aquele que dentre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela”. A história ainda nos conta que Jesus volta a escrever no chão depois de fazer tal afirmação. De acordo com o livro “O Desejado de Todas as Nações”, de Ellen White, Jesus escrevia no chão os pecados daqueles que estavam acusando a mulher. O fato é que, pouco a pouco, cada um deles saiu, restando apenas Ele e a mulher. A história se encerra com Jesus dizendo à mulher: “Nem eu também te condeno; vai-te e não peques mais”. 

Agora imaginem... Se Cristo, o único ser que passou pela Terra e não pecou, não condenou a mulher, quem somos nós para colocarmos nosso semelhante no banco dos réus? Igreja, todos nós somos pecadores! Todos nós temos teto de vidro! O que nos diferencia é o pecado cometido por cada um e a possível exposição dada a ele. Vamos começar a semana pedindo a Deus que tire de nós a vontade de julgar e, em lugar disso, nos encha de amor para ajudarmos nossos irmãos a passarem pelas dificuldades. 

Inez Lobo é estudante de Direito e, na igreja de Boa Viagem, integra as equipes de Comunicação e Música

Nenhum comentário:

Postar um comentário